Arqueólogos identificam novo sítio de arte rupestre em Manari, no Sertão


O 'Sítio Arqueológico da Pasta' está em processo de cadastro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Sítio Arqueológico da Pasta fica em Manari, no Sertão Mônica Nogueira/IPHAN Durante uma visita técnica realizada no fim do mês de novembro, arqueólogos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) identificaram um sítio arqueológico de arte rupestre na cidade de Manari, no Sertão. De acordo com o Iphan, o Sítio Arqueológico da Pasta está em processo de cadastro pelo Instituto. Esse será o quinto sítio a ser cadastrado na região em 2023. Em maio, haviam sido identificados os sítios Pedra Letrada, Pingador da Carnaúba e Estivas, naquele mesmo município, e Imbe, na vizinha Ibimirim. De acordo com o Iphan, os sítios arqueológicos identificados se caracterizam como de arte rupestre em abrigos sob rocha e com a presença de pinturas e gravuras, representando formas humanas e de animais, cenas de caça e formas geométricas. Sítio Arqueológico Estivas II também fica localizado em Manari Mônica Nogueira/IPHAN As pinturas identificadas foram classificadas como pertencentes a duas tradições arqueológicas para registros rupestres conhecidas no Nordeste brasileiro: Tradição Nordeste e Tradição Agreste. De acordo com o arqueólogo Allan Leonardo Silva, o conhecimento sobre esse sítio arqueológico em Manari é importante para entender sobre o comportamento dos povos originários. "Suas formas de sobrevivência, como eram suas relações com o meio ambiente e com o simbólico. Poderão ser feitas correlações com ocupações de outras áreas, como por exemplo o Vale do Catimbau, importante região com diversos sítios arqueológicos cadastrados”, disse o pesquisador.

Celimar de Meneses

Deixe um comentário