VÍDEO: polícia prende suspeito de matar a facadas ex-sogro e esfaquear outras três pessoas por não aceitar fim de relacionamento


Prisão ocorreu no início da manhã desta sexta-feira (29) em Triunfo. Polícia prendeu suspeito de matar idoso em Triunfo A Polícia Civil prendeu na manhã desta sexta-feira (29) o suspeito de matar a facadas o ex-sogro e deixar outras três pessoas feridas em Triunfo, no Sertão. O homem, de 35 anos, foi preso perto da rodoviária da cidade, no início da manhã. Além de matar o ex-sogro, identificado como Higino Soares dos Santos, de 65 anos, o suspeito também feriu com facadas a ex-sogra, de 54 anos, a ex-companheira, de 25, e um vizinho da família que tentou impedir o crime, de 47 anos. LEIA TAMBÉM: Homem mata pai da ex-companheira a facadas por não aceitar fim do relacionamento no Sertão Segundo a polícia, ele cometeu o crime no Sítio Santo Antônio, na zona rural do município, porque não aceitava o fim do relacionamento. Após a prisão, o suspeito foi levado à delegacia de Triunfo e deve passar por audiência de custódia. "O autor foi levado para a delegacia, e após a aplicação dos procedimentos administrativos, foi encaminhado para a audiência de custódia, ficando à disposição da justiça", disse a Polícia Civil em nota. Crime em Triunfo Higino Soares dos Santos morreu vítima de facadas em Triunfo Reprodução/Arquivo pessoal O crime ocorreu no dia 26 de dezembro. O suspeito entrou na casa da família, de acordo com a polícia, e tinha como alvo a ex-companheira. Durante a abordagem, ele feriu e matou o ex-sogro, ferio a ex-sogra e a ex-companheira a facadas. Um vizinho que tentou impedir o crime também ficou ferido. "O autor entrou na residência pela porta dos fundos e feriu a família e o vizinho que no intuito de apaziguar, também foi lesionado. O autor fugiu após o crime, o homem com 65 anos, devido a complexidade, foi a óbito no local e todas as outras vítimas, socorridas para uma unidade hospitalar", esclareceu a Polícia Civil em nota. Após a realização da perícia, o corpo foi encaminhado para o IML e um inquérito policial foi instaurado.

Celimar de Meneses

Deixe um comentário