Agricultora de 58 anos é atacada por onça-parda em Carnaubeira da Penha: ‘escutei minha mãe gritando com muito sangue pelo corpo’


Ao g1, o filho dela disse, que a mãe estava em uma roça de capim, na zona rural do município, quando o animal se aproximou e atacou a mulher, ferindo várias partes do corpo. Agricultora é ataca por onça em Carnaubeira da Penha, no Sertão. Arquivo pessoal Uma agricultora de 58 anos foi atacada por uma onça-parda na tarde do último sábado (13) em Carnaubeira da Penha, Sertão de Pernambuco. Ao g1, o filho dela, George Freire, disse que a mãe dele estava sozinha numa roça de capim quando foi mordida nas pernas e braços pelo animal. VÍDEO: Polícia Federal e Ibama prendem suspeitos de matar onça e divulgar crime nas redes sociais em Mirandiba Maria Inez Freire Barros de Sá, de 58 anos estava trabalhando em uma plantação, na comunidade Riacho do Mundé, zona rural do município, quando a onça teria se aproximado e atacado a agricultora. Mulher é ataca por onça no Sertão de Pernambuco. Arquivo pessoal "Escutei a minha mãe gritando, vi ela com muito sangue pelo corpo. Achei que ela tinha se cortado com alguma faca ou que uma cobra teria picado ela, quando ela me disse que foi atacada por um onça. Ela viu o animal. Vimos o rastro dele pelo mato também", disse. Ainda segundo a família, a mulher foi socorrida para o Hospital Coronel Álvaro Ferraz, em Floresta, e em seguida foi transferida para o Hospital Professor Agamenon Magalhães, em Serra Talhada, no Sertão, onde encontra-se em observação. Moradores da zona rural de Carnaubeira da Penha, relataram também que a onça-parda tem aparecido com frequência no local e que vários animais, como bois, vacas e bodes, estão sendo mortos. Sobre essa afirmação, o g1 entrou em contato com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, o Ibama, mas até o momento desta publicação não tivemos retorno. Mulher segue internada em Hospital Regional de Serra Talhada. Arquivo pessoal O g1 entrou em contato também com a secretaria estadual de saúde para obter detalhes sobre o atendimento da vítima, mas não houve retorno. Já a Polícia Civil disse que até o momento não a registro do caso.

Celimar de Meneses

Deixe um comentário