Caso Padre Zé: Câmara Criminal mantém prisão de padre Egídio e ex-diretoras do hospital


Padre Egídio de Carvalho, Amanda Duarte e Jannyne Dantas foram presos em novembro de 2023, suspeitos de envolvimento no desvio e fraudes na gestão do Padre Zé. Egídio de Carvalho Neto, Amanda Duarte e Jannyne Dantas tiveram prisões mantidas pelo TJPB. Reprodução Por unanimidade, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve, nesta terça-feira (30), a prisão do padre Egídio de Carvalho e das ex-diretoras o Hospital Padre Zé, Jannyne Dantas Miranda e Silva, e Amanda Duarte da Silva Dantas (ex-tesoureira), suspeitos de envolvimento no esquema de desvio de recursos e fraudes na gestão do hospital, em João Pessoa. A decisão foi determinada na 2ª Sessão Ordinária, realizada por videoconferência. No caso, a ex-diretora Amanda Dantas vai seguir em prisão domiciliar, enquanto padre Egídio e Jannyne Dantas continuam detidos em unidades prisionais. LEIA TAMBÉM: Entenda operação que investiga desvio de verbas e tem padre como principal suspeito MP denuncia padre Egídio e mais duas pessoas por desviar verba de projetos sociais para compra e aluguel de carro Padre desviou ao menos R$ 2,4 milhões de verbas destinadas a população em situação de rua e venezuelanos na PB, aponta Gaeco Durante a sessão, houve a apreciação e julgamento do pedido de habeas corpus feito pelo advogado Luciano Santoro, que representa padre Egídio, e pelo advogado Hoberdan Coelho, da defesa das ex-diretoras. Eles alegaram a falta de necessidade para a permanência das prisões, por não haver riscos à ordem pública e nem à continuidade das investigações. O Ministério Público da Paraíba (MPPB) defendeu a manutenção das prisões, e o relator do processo, o desembargador Ricardo Vital, contestou os argumentos da defesa. A Câmara Criminal acompanhou o relator em unanimidade, mantendo as prisões. Vídeos mais assistidos da Paraíba

Dino

Deixe um comentário