Terceiro suspeito de envolvimento em morte de personal trainer é preso em Caruaru


Hugo José Alves dos Santos estava foragido e foi preso após se apresentar na delegacia na última sexta-feira (9), junto a um delegado. Hugo José Alves da Silva Marinho foi preso por envolvimento na morte de Rodrigo Gama em Caruaru Caruaru no face Na última sexta-feira (9), a Polícia Civil prendeu o terceiro suspeito de participação na morte do personal trainer Rodrigo Gama, assassinado dentro de uma academia de Caruaru, no Agreste, em 2023. Hugo José Alves da Silva Marinho tinha um mandado de prisão em aberto e estava foragido. De acordo com a Polícia, Hugo se apresentou à delegacia com um advogado depois da repercussão gerada pela coletiva de imprensa feita pela Polícia Civil para apresentar detalhes do caso. Hugo José foi o responsável pelo fornecimento do veículo utilizado na fuga do crime. De acordo com a polícia, ele tem antecedentes por crime de receptação e é investigado por furto de veículos. LEIA TAMBÉM: Mandante da morte de personal trainer em Caruaru filmava alunas sem autorização na academia e quis se vingar após levar 'bronca' Rodrigo Gama foi morto no dia 20 de fevereiro de 2023 enquanto trabalhava dentro de uma academia em Caruaru. De acordo com a polícia, o mandante "encomendou" o crime porque recebeu uma "bronca" de Rodrigo na academia. Ele foi atingido com um tiro na nuca por um aluno da academia e morreu no local do crime. Quem é o mandante do crime? Conclusão do caso do personal assassinado O crime foi planejado e encomendando por Genilson Lino da Silva, conhecido como "General do Crime" ou "Perna", que está foragido. De origem da Bahia, já cumpriu pena na prisão entre os anos de 2005 e 2018 e era considerado o preso mais perigoso do Estado. Genilson era chefe de uma organização criminosa voltada pratica de tráfico de drogas, roubos e homicídios. Foi alvo de CPI do Congresso Nacional no ano de 2009 por comandar os presídios do Estado da Bahia. Além de Genilson, outras cinco pessoas estão envolvidas no crime. "As prisões foram feitas fora do estado de Pernambuco. Essas pessoas que estão foragidas nós tentamos mais de uma vez prendê-las, mas elas conseguiram fugir", explicou o delegado Bruno Vital.

Celimar de Meneses

Deixe um comentário