Familiares de vítimas da ‘Barbárie de Queimadas’ solicitam transferência de Eduardo dos Santos para presídio federal


Governo da Paraíba aguarda que mentor da 'Barbárie de Queimadas' retorne para a Penitenciária de Segurança Máxima de João Pessoa, conhecida como PB1. Ele foi preso no Rio de Janeiro. Mentor da Barbárie de Queimadas com pena de 108 anos é preso no RJ mais de 3 anos após fugir de presídio de segurança máxima Divulgação/Polícia Civil Os familiares de Izabelle Pajuçara e Michelle Domingos, vítimas que morreram na "Barbárie de Queimadas", solicitaram à Justiça da Paraíba, nesta quarta-feira (20), que Eduardo dos Santos Pereira seja transferido diretamente para um presídio federal. O mentor do crime foi preso na terça-feira (19), em Rio das Ostras, no Rio de Janeiro, após mais de três anos foragido do Presídio de Segurança Máxima de João Pessoa, conhecido como PB1. De acordo com a petição judicial, as famílias vivem assustadas e acreditam que ele tentará fugir novamente se for encaminhado para um presídio estadual. “O lugar certo para custodiar Eduardo é um presídio federal, onde terá tratamento diferente do que teve (...) dificultará as possibilidades de uma nova fuga, ao tempo que confortará às famílias que, há tanto tempo, vivem com um sentimento de insegurança e angústia”, afirmou a defesa dos familiares das vítimas em petição. A defesa das famílias afirmou ao g1 que aguarda uma avaliação rápida da Justiça da Paraíba. A expectativa é que o criminoso retorne para João Pessoa e depois seja transferido para um presídio federal. Na quarta-feira (19), Isânia Monteiro, irmã de Izabella Pajuçara, uma das duas mulheres estupradas e mortas na cidade de Queimadas, no interior da Paraíba, celebrou a prisão do criminoso. “Nesse momento, não só eu, mas todos os familiares de Izabella e Michelle, o sentimento é de alívio. Há três anos, no dia em que ele fugiu (do presídio), ficou a nossa inquietação até quando isso afetaria as nossas vidas. Agora, após a prisão, nós podemos pensar em um alívio, apesar da saudade, da dor, mas também um misto de sentimentos, que permanecem e acompanham as nossas vidas”, relatou. Eduardo dos Santos Pereira, o mentor da "Barbárie de Queimadas", estava escondido em uma casa alugada na cidade de Rio das Ostras, no Rio de Janeiro Polícia Civil/Reprodução Audiência de custódia A audiência de custódia do mentor da "Barbárie de Queimadas", Eduardo dos Santos Pereira, será realizada nesta quinta-feira (21), no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada ao g1 pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ). A decisão da Justiça deve determinar se Eduardo retorna para a Paraíba e se vai voltar a cumprir pena no PB1, conforme a expectativa da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap). A prisão de Eduardo dos Santos Eduardo dos Santos Pereira é acusado de ser o mentor da Barbárie de Queimadas e está foragido Reprodução/TV Cabo Branco O mentor da "Barbárie de Queimadas", Eduardo dos Santos Pereira, que estava foragido há três anos, foi preso em Rio das Ostras, no Rio de Janeiro. O criminoso foi preso em uma casa alugada e, no momento da prisão, estava sozinho. A prisão foi feita pela Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) da Polícia Civil da Paraíba. O crime aconteceu em 2012 quando cinco mulheres foram brutalmente estupradas durante uma festa de aniversário, por homens que elas consideravam serem seus amigos. Entre elas estavam Izabella Pajuçara e Michelle Domingos, mortas de forma violenta porque, durante os estupros, identificaram os agressores. Mentor da 'Barbárie de Queimadas', Eduardo dos Santos é preso após 3 anos foragido Além de Eduardo, outros seis homens foram considerados culpados e receberam sentenças, enquanto três adolescentes foram sentenciados a cumprir medidas socioeducativas. O mentor do estupro coletivo foi preso em 2012, condenado em 2014 e estava foragido desde 2020, quando fugiu do presídio estadual de segurança máxima pela porta lateral. O caso foi tema do programa Linha Direta, em maio de 2023. Eduardo foi condenado a 108 anos e dois meses de prisão. Ele foi considerado culpado por dois homicídios, formação de quadrilha, cárcere privado, corrupção de menores e porte ilegal de arma, além dos cinco estupros. Por estes crimes, ele foi condenado a 106 anos e 4 meses de reclusão. Além disso, ele recebeu uma pena de 1 ano e 10 meses de detenção pelo crime de lesão corporal de um dos adolescentes envolvidos no crime. Vídeos mais assistidos da Paraíba

Dino

Deixe um comentário