Eduardo dos Santos, mentor da ‘Barbárie de Queimadas’, pede para cumprir pena no RJ


Gerência Executiva do Sistema Prisional da Paraíba deve se manifestar dizendo se concorda com o pedido. Eduardo pediu para ficar no Rio de Janeiro por conta de vínculo familiar no estado. Eduardo dos Santos Pereira é acusado de ser o mentor da Barbárie de Queimadas e está foragido Reprodução/TV Cabo Branco A defesa de Eduardo dos Santos Pereira, o mentor da "Barbárie de Queimadas", requereu a permanência dele para cumprimento de pena no Rio de Janeiro, estado onde foi preso, por motivo de vínculo familiar. O pedido foi apresentado à Justiça da Paraíba, que solicitou uma posição da Gerência Executiva do Sistema Prisional (Gesipe). Na quinta-feira (21), ele teve a prisão mantida após audiência de custódia, mas a questão da transferência não foi analisada. A Gesipe informou ao g1 que ainda não recebeu formalmente o ofício da Justiça. O Sistema Penitenciário deve se se manifestar dizendo se concorda ou não com a permanência de Eduardo no Rio de Janeiro. Logo após a prisão, o secretário da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), João Alves, disse esperar que o criminoso voltasse para a Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1, de onde ele fugiu. LEIA TAMBÉM: VÍDEO: veja casa onde estava escondido Eduardo dos Santos Por outro lado, os familiares de Izabelle Pajuçara e Michelle Domingos, vítimas que morreram na "Barbárie de Queimadas", solicitaram à Justiça da Paraíba, que Eduardo seja transferido diretamente para um presídio federal. De acordo com a petição judicial, as famílias vivem assustadas e acreditam que ele tentará fugir novamente se for encaminhado para um presídio estadual. Izabella Pajuçara e Michelle Domingos foram mortas depois de estupro coletivo no caso que ficou conhecido como Barbárie de Queimadas, na PB Reprodução/Fantástico Eduardo dos Santos foi condenado a 108 anos de prisão em setembro de 2014. O mentor do crime foi preso na terça-feira (19), em Rio das Ostras, no Rio de Janeiro, após mais de três anos foragido. Eduardo estava sozinho na casa em que morava quando foi preso. Ele fugiu da Paraíba direto para a comunidade da Rocinha, no município do Rio de Janeiro, onde o pai dele mora e tem um bar. E onde ele morava antes de se mudar para Queimadas. O condenado vinha usando um documento falso, em nome de um idoso de 62 anos, e contou com a ajuda operacional e financeira de familiares e, por um período, de um grupo criminoso. Irmão de Eduardo transferido para o Rio O pedido de transferência de Eduardo para cumprir pena no Rio de Janeiro é semelhante ao que foi concedido ao seu irmão Luciano dos Santos Pereira, condenado a 44 anos de prisão em 2012 também pela "Barbárie de Queimadas". De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap-PB), o criminoso teve deferida em 7 de dezembro de 2023 sua transferência de domicílio penal para comarca do Rio de Janeiro, visando o cumprimento da pena em local próximo onde habitam seus familiares. A secretaria também confirmou que Luciano estava em progressão para o regime semiaberto e era monitorado por tornozeleira eletrônica na Paraíba. LEIA MAIS: Após recaptura, Eduardo dos Santos é o único preso entre os 10 condenados pela 'Barbárie de Queimadas'; veja pena de cada um O g1 entrou em contato com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro e questionou sobre a situação do apenado atualmente, mas não recebeu resposta. 'Barbárie de Queimadas' A "Barbárie de Queimadas" aconteceu em 2012 quando cinco mulheres foram brutalmente estupradas durante uma festa de aniversário, por homens que elas consideravam serem seus amigos. Entre elas estavam Izabella Pajuçara e Michelle Domingos, mortas de forma violenta porque, durante os estupros, identificaram os agressores. Conforme as investigações, os abusos foram planejados pelos irmãos Luciano e Eduardo dos Santos Pereira, que teriam convidado outros homens para abusar sexualmente das convidadas na festa de aniversário de Luciano. Segundo informações contidas no processo, o crime seria um “presente” para o aniversariante. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Dino

Deixe um comentário