Fim do carro popular? Veículos 0 KM mais baratos dos país têm aumento de até 20% no semestre; veja ranking

SÃO PAULO – As vendas de veículos novos voltaram a cair em junho, no comparativo mensal. O setor automotivo enfrenta uma fase conturbada desde o início da pandemia, mas há alguns meses o principal motivo vem sendo as paradas de produção nas fábricas por falta de componentes, em especial de semicondutores. O problema reduz a oferta de carros novos nas concessionárias e gera fila de espera para alguns modelos.

Como resultado, os preços vêm subindo. O InfoMoney explicou a dinâmica em uma matéria recente. Mas quanto os carros 0 km estão ficando mais caros? Em alguns casos, as variações chegam a 20%. A média de reajuste dos 10 carros mais baratos do país foi de 11% em 6 meses.

Um estudo da Kelley Blue Book Brasil (KBB), empresa especializada em pesquisa de preços de veículos novos e usados, mostra as variações dos carros mais baratos em junho suas respectivas variações de preços no primeiro semestre de 2021.

É verdade que o consumidor brasileiro que procura por um carro popular, hoje, não encontra opções 0 km que custem menos do que R$ 40 mil nas concessionárias. O modelo mais barato do mercado atualmente, segundo o estudo, é o Fiat Mobi, que em sua versão de entrada Easy custa R$ 44 mil no ano modelo 2022, segundo o estudo.

Este valor representa um acréscimo de 15,8% sobre o preço do mesmo carro de janeiro de 2021. A pesquisa da KBB Brasil levou em conta automóveis e comerciais leves apenas em suas versões de entrada, considerando o ano modelo 2022 de cada um deles.

Confira as variações de preços:

Os 10 carros 0 km mais baratos em junho de 2021 e suas variações de preço 
Ano modelo Preço 0 km KBB de jan/2021 Preço 0 km KBB de jun/2021 Veículo Variação 
2022R$ 38.000*1. R$ 44.000Fiat Mobi Easy 1.0 8V15,8%
2022R$ 40.9902. R$ 44.390Renault Kwid Life 1.0 12V SCe8,3%
2022R$ 53.290*3. R$ 58.890Hyundai HB20 Sense 1.0 12V MT510,5%
2022R$ 55.0004. R$ 60.260Volkswagen Gol 1.0 12V9,6%
2022R$ 54.000*5. R$ 62.340Volkswagen Fox Connect 1.6 8V15,4%
2022R$ 60.2006. R$ 63.900Volkswagen Saveiro Robust G6 1.6 8V CS6,1%
2022R$ 59.0007. R$ 64.490Renault Sandero Life 1.0 12V SCe9,3%
2022R$ 53.990*8. R$ 64.900Fiat Argo 1.0 6V Firefly20,2%
2022R$ 58.600*9. R$ 64.900Chevrolet Onix 1.0 12V MT610,8%
2022R$ 64.000*10. R$ 66.120Volkswagen Polo 1.0 12V3,3%

*Preço referente ao ano modelo 2021 

Em alguns casos, no entanto, os modelos não possuíam linha 2022 em janeiro para uma comparação direta do reajuste de preço. Por isso, esses modelos estão marcados na tabela porque a referência usada em janeiro é o preço do ano modelo 2021.

Como podemos observar, o carro que apresentou o maior acréscimo de preço em termos relativos no período analisado foi o Fiat Argo, com variação de 20,2% para versão de entrada. Na outra ponta, o Volkswagen Polo na versão 1.2 foi o que apresentou a menor variação, porém, tem um custo mais alto. Modelos como o Hyundai HB20 e o Volkswagen Fox também se destacam com altas de 10,5% e 15,4%, respectivamente.

A falta de peças é diagnosticada em vários pontos da produção, e a alta de demanda com a falta de oferta vem inflando os preços de outras peças e até no transporte delas. Por exemplo, entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021, o aço chegou a subir 65%, o custo de resinas ficou 68% maior, o frete marítimo aumentou 339% e o frete aéreo subiu 105%, de acordo com os dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Fábricas paradas

Em junho, diversas fábricas voltaram a paralisar a produção por causa da falta de semicondutores, prejudicando o abastecimento das lojas. A Hyundai deveria ter retomado ontem dois turnos de trabalho na fábrica de Piracicaba, mas decidiu estender a paralisação até o próximo dia 11. Até lá, seguirá operando com apenas um turno.

Em nota, a empresa informa que a prorrogação se deve às “condições instáveis de fornecimento de componentes eletrônicos”. Disse também que segue monitorando a situação e tomará medidas necessárias para adaptar os volumes de sua produção conforme as condições de fornecimento de peças a cada semana.

As fábricas da Volkswagen em São Bernardo do Campo, São Carlos e São José dos Pinhais retomaram as atividades ontem. As duas plantas de São Paulo ficaram paradas por dez dias; na do Paraná, foram 20 dias. A unidade Taubaté também ficou sem produzir por dez dias e voltou a operar no dia 17.

A fábrica da General Motors de Gravataí (RS) está fechada desde abril, com retorno previsto apenas em meados de agosto. Já a planta de São Caetano do Sul iniciou no último dia 21 uma paralisação de seis semanas, mas fará modificações na linha para o início da produção da nova picape Montana, totalmente diferente da anterior.

Antes das paradas, em especial da fábrica gaúcha, onde é produzido o Onix, a GM era líder em vendas no País desde 2016. Em junho, ficou na sétima posição, com 6,8% de participação no mercado de automóveis e comerciais leves.

*Com Agência Estado

Como calcular créditos e empréstimos?
Baixe de graça uma planilha para simular o valor das prestações, o custo dos juros, as linhas mais atrativas e as instituições com as menores taxas:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

The post Fim do carro popular? Veículos 0 KM mais baratos dos país têm aumento de até 20% no semestre; veja ranking appeared first on InfoMoney.

Equipe InfoMoney

Equipe InfoMoney

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.