Com 33,2% das famílias com contas em atraso, Pernambuco registra maior índice em 11 anos, aponta Fecomércio


Pesquisa também mostrou que 79,5% das famílias no estado estão endividadas. Pandemia da Covid-19 é a principal causa, segundo federação. Número de famílias endividadas em Pernambuco chega ao número mais alto desde 2010 Uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco (Fecomércio-PE) apontou que o número de famílias com contas em atraso no estado subiu de 31,9%, registrado em maio, para 33,2%, em junho deste ano. Esse foi o maior índice desde junho de 2010, quando 38,2% das famílias estavam com contas atrasadas (veja vídeo acima). Também segundo o levantamento, o resultado de junho deste ano foi o terceiro aumento consecutivo no indicador, que já acumulou elevação de 4,4 pontos percentuais em relação a março e de 5,2 pontos em relação a janeiro. Pesquisa feita pela Fecomércio apontou que no mês de junho de 2021 33,2% das famílias pernambucanas tiveram contas atrasadas Natalia Filippin/G1 Ainda de acordo com a federação, o índice de famílias endividadas em Pernambuco chegou a 79,5%. Apesar disso, a Fecomercio-PE constatou uma diminuição de 0,5% em relação ao índice registrado no mês de maio. Em relação ao cenário do país, o mês de junho de 2021 também teve o maior percentual de famílias endividadas no Brasil desde 2010, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. O levantamento apontou que o primeiro semestre de 2021 terminou com 69,7% de famílias endividadas no Brasil, maior índice em 11 anos. Isso equivale a um aumento de 1,7% em relação a maio e de 2,5% em comparação a junho de 2020. Pesquisa apontou que índice de famílias endividadas chegou a 79,5% no estado Marlon Costa/Pernambuco Press A pandemia da Covid-19 foi um dos principais fatores para a alta nesses índices, conforme informado pela Fecomércio-PE. De acordo com o assessor econômico da federação, Ademilson Saraiva, o momento da economia ainda é delicado. "Estamos com o mercado de trabalho ainda em processo de retomada, as atividades ainda em processo de reabertura, um alto índice de desemprego e uma inflação elevada e em ascensão, apertando o orçamento e impedindo que as famílias cumpram com os compromissos financeiros", afirmou. Ademilson Saraiva é o assessor econômico da Fecomércio-PE Reprodução/TV Globo A pesquisa também apontou que o uso do cartão de crédito para compras de itens básicos aumentou e foi uma das principais causas do endividamento familiar em Pernambuco, representando 95,4% das origens dos débitos. Ainda segundo o levantamento, a quantidade de famílias no estado que afirmam não ter condições de pagar as dívidas em atraso também cresceu em junho, saindo de 13,1%, em maio, para 14,3%. Entre março e junho, o indicador avançou 2,7 pontos percentuais. Vídeos de PE mais vistos nos últimos 7 dias
G1 > Caruaru e Região

G1 > Caruaru e Região

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.