Roberto Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde, é preso por mentir em depoimento à CPI da Pandemia

SÃO PAULO – O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), determinou, nesta quarta-feira (7), a prisão do ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias.

A decisão foi tomada após cerca de 8 horas de oitiva e ocorre sob a alegação de que o depoente mentiu por sucessivas vezes ao colegiado, contrariando compromisso legal assumido de dizer a verdade.

Durante a sessão, Aziz afirmou que “deu chances o tempo todo” para Roberto Dias relatar os fatos de forma honesta. Senadores reclamaram da posição evasiva do depoente e de versão falsa sobre episódio central investigado, conforme indicado por áudios revelados nesta tarde.

“Ele vai ser recolhido agora pela polícia do senado. Ele está mentindo desde a manhã, dei chance para ele o tempo todo. Pedi por favor, pedi várias vezes. E tem coisas que não dá para… os áudio que nós temos do Dominghetti são claros”, afirmou o presidente do colegiado.

A decisão provocou indignação da advogada do depoente, que alegou que a prisão era um “absurdo” e que seu cliente estava dando “contribuições valiosíssimas” para a comissão parlamentar de inquérito.

Antes do fim da oitiva, parlamentares governistas pediram que Omar Aziz reconsiderasse a medida. O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado Federal, chamou atenção para o fato de que o presidente da casa legislativa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já havia aberto a ordem do dia – o que impede a continuidade dos trabalhos das comissões.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) disse que a decisão de Aziz configurava “abuso de autoridade”. Já Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que integra o grupo de parlamentares independentes ao governo, argumentou que a detenção representava uma incoerência, já que outros depoentes que mentiram não tiveram prisão decretada. Tal posição foi apoiada por Otto Alencar (PSD-BA), outro crítico ao governo.

Apesar dos apelos, Aziz manteve a posição. “Tenho sido desrespeitado todos os dias com historinha aqui. Não aceito que a CPI vire chacota. Pessoas morrendo e eles brincando de negociar vacinas. Ele vai estar detido agora pelo Brasil, pelas vítimas sequeladas. Ele está preso e se eu estiver errado posso ser processado. Ele que recorra na justiça, mas ele está preso e a sessão está encerrada. Podem levar!”, afirmou.

“Se eu estiver cometendo abuso de autoridade, que a advogada dele me processe. Nós não estamos aqui para brincar, para ouvir historinha de servidor que pedir propina. Ele que recorra na Justiça, mas ele está preso e a sessão está encerrada. Pode levar”, completou.

Roberto Dias foi exonerado do cargo de diretor de logística do Ministério da Saúde em junho, após denúncia de suposto pedido de propina para autorizar a compra da vacina AstraZeneca. A denúncia foi feita pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply, com sede nos Estados Unidos.

Na semana passada, em depoimento à CPI, Dominghetti afirmou ter recebido um pedido de propina de Roberto Dias para liberar a compra de 400 milhões de doses do imunizante. O diretor teria cobrado US$ 1,00 por dose para negociar vacinas ao governo federal.

Durante a oitiva junto à CPI, Roberto Dias negou o pedido de propina, que teria sido feito em um encontro em restaurante, em Brasília. O depoente contou aos senadores que combinou de beber um chope com seu amigo José Ricardo Santana, um ex-funcionário da Câmara de Medicamentos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Na ocasião, ele teria tido um encontro acidental com Dominghetti.

Áudios e mensagens registrados no celular de Dominghetti, revelados pela CNN Brasil, contradizem a versão. “Os áudios que temos do Dominghetti são claros”, ressaltou Aziz na sessão.

mais informações em instantes

The post Roberto Dias, ex-diretor do Ministério da Saúde, é preso por mentir em depoimento à CPI da Pandemia appeared first on InfoMoney.

Equipe InfoMoney

Equipe InfoMoney

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.