Foto em que um homem passa na frente do prédio do Banco Central do Brasil

Os servidores do Banco Central aprovaram em assembleia virtual, realizada na tarde desta terça-feira (10), a continuidade da greve por tempo indeterminado. O Sinal (sindicato da categoria) diz que a decisão foi aprovada por 85% dos votos porque o governo não abriu mesa de negociação nem apresentou proposta oficial de reajuste.

A greve dos servidores foi retomada no dia 3 deste mês, após uma breve suspensão entre 20 de abril e 2 de maio para negociar com o governo e dar um “voto de confiança” ao presidente do BC, Roberto Campos Neto, mas não houve avanço. A categoria quer reajuste salarial de 27% (para repor a inflação entre 2017 e 2022) e a reestruturação de carreiras (que segundo o sindicato não tem impacto fiscal).

“A greve tem adesão majoritária e vai continuar a afetar o Relatório Focus, a divulgação da ptax, a assinatura de processos de autorização no sistema financeiro, a realização de eventos e reuniões com o sistema financeiro e outras atividades”, afirmou o presidente do Sinal, Fábio Faiad.

‘Uso eleitoral do Pix’

O sindicato voltou a dizer que o Pix não vai ser interrompido, pois “é uma criação dos servidores do BC em prol da sociedade brasileira”, e emitiu nota para “repudiar o uso eleitoral do Pix”. “Tal sistema de pagamento instantâneo foi criado e implementado pelos analistas e técnicos do Banco Central do Brasil — ou seja, por servidores concursados de estado, não pelo atual governante ou por qualquer outro governo”.

O comunicado foi feita após o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmar em uma live que, após o sucesso do Pix, será lançado algo “fantástico” que irá “revolucionar” as transações financeiras no país. O presidente, que concorrerá à reeleição em outubro, não deu mais detalhes sobre qual seria o serviço, mas voltou a afirmar que o Pix é uma ação de seu governo e destacou que a população está feliz com a modalidade de pagamentos.

“É importante ressaltar que o início do projeto do Pix é bem anterior ao mandato do atual presidente da República”, afirma nota do sindicato dos servidores. “A portaria do Banco Central n. 97.909, que instituiu o grupo de trabalho para desenvolver uma ferramenta interbancária de pagamento instantâneo, foi publicada em 3 de maio de 2018, muito antes da eleição do atual governo”.

Leia também:

Pix ligado à aviação civil?

O sindicato lembra também que “não se tem notícia de qualquer referência ao Pix no programa eleitoral entregue em 2018 pelo então candidato Jair Bolsonaro ao Tribunal Superior Eleitoral” e que, “além disso, em discurso público realizado em novembro de 2020, o presidente Jair Bolsonaro declarou que Pix era algo ligado à aviação civil, mostrando completo desconhecimento do assunto”.

“Faz-se necessário destacar a diferença entre políticas de Estado e medidas pontuais de governos”, ressalta a nota de esclarecimento. “Desde a sua criação, o Banco Central do Brasil conta com servidores de alta qualificação e responsabilidade, e isso permitiu que diversos projetos considerados importantes pela diretoria do BC, segundo critérios técnicos, pudessem ser conduzidos independentemente da vontade ou contrariedade política de governantes de plantão”.

“Por fim, ressaltando a imparcialidade do sindicato em relação a questões deste ou daquele partido político, pois nossa atuação é apartidária, deixamos clara uma coisa: o Sinal não vai permitir que nenhum candidato na campanha eleitoral de 2022 (seja de situação, de oposição ou independente) tente tirar proveito eleitoral indevido do trabalho feito por analistas e técnicos do BC”, afirma o sindicato. “Governos passam; os servidores concursados do estado brasileiro permanecem”.

9 formas de transformar o seu Imposto de Renda em dinheiro: um eBook gratuito te mostra como – acesse aqui!

LEIA MAIS

The post Servidores do BC decidem manter greve e criticam ‘uso eleitoral do Pix’ por Bolsonaro appeared first on InfoMoney.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.