Setor de urgência e emergência pediátrica do Hospital Universitário Júlio Bandeira foi interditado eticamente por déficit de médicos pediatras e falta de assistência médica continuada no local. Hospital Universitário Júlio Bandeira (HUJB) Reprodução/Instagram (@hujb_ufcg) Após a interdição do setor de urgência e emergência pediátrica do Hospital Universitário Júlio Bandeira, em Cajazeiras, na última segunda-feira (9), o governador da Paraíba, João Azevêdo, autorizou que a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município realize o atendimento pediátrico que ficou prejudicado após a interdição no HU. LEIA TAMBÉM: CRM da Paraíba realiza interdição ética da urgência pediátrica do HU de Cajazeiras De acordo com o governo, ficou decidido que a Secretaria Municipal de Saúde de Cajazeiras deve garantir o atendimento para crianças também nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para os casos mais leves. A UPA administrada pelo Estado deve atender os casos que precisem de suporte hospitalar emergencial. Já as ocorrências que demandem internação, devem continuar sendo encaminhadas para o Hospital Universitário. A solução foi apresentada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), durante reunião com o Conselho Regional de Medicina (CRM), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Hospital Universitário Júlio Bandeira. Interdição O setor de urgência e emergência pediátrica do Hospital Universitário Júlio Bandeira, em Cajazeiras, foi interditado na última segunda-feira (9) por fiscais do Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB). A fiscalização aconteceu depois que foi constatado déficit de médicos pediatras e falta de assistência médica continuada no local. De acordo com Bruno Leandro de Souza, diretor de fiscalização do CRM, o setor deve funcionar “24 horas por dia, sete dias por semana, sem interrupção”. Mas isso, segundo ele, não estava acontecendo em vários momentos ao longo de uma semana. “A assistência estava prejudicada. Não houve outra alternativa que não fosse a interdição ética”, disse. Em nota, o HU de Cajazeiras explicou que tem mantido diálogo com autoridades dos municípios que compreendem a região polarizada por Cajazeiras, a fim de encontrar a melhor solução para os problemas que interferem no atendimento pediátrico na região. O hospital explicou que já realizou a convocação de quase mil pediatras apenas no último concurso, não tendo contudo obtido sucesso no preenchimento de todas as vagas. (Confira nota na integra no fim da matéria). A nota diz ainda que a ausência de estrutura para atendimento de urgência e emergência de pediatria pelo município, como uma UPA, levou o hospital a dedicar cerca de 80% de seus atendimentos à atenção primária, de baixa complexidade. Este índice, de acordo com a unidade, demonstra que a unidade de pronto atendimento do HU vem sendo utilizado de forma equivocada pela rede de saúde local, como uma extensão indevida da atenção primária. Confira na íntegra a nota do HU de Cajazeiras: O Hospital Universitário Júlio Maria Bandeira de Mello (HUJB), da Universidade Federal de Campina Grande, vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), esclarece, sobre a decisão de interdição imposta pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB), que tem mantido diálogo com autoridades dos municípios que compreendem a região polarizada por Cajazeiras, a fim de encontrar a melhor solução para os problemas que interferem no atendimento pediátrico na região. O hospital já realizou a convocação de quase mil pediatras apenas no último concurso realizado pela Ebserh, local e nacional, não tendo obtido sucesso no preenchimento de todas as vagas. O hospital também pactuou com os gestores dos municípios que, a partir do dia 8 de março de 2022, todos os atendimentos de Urgência e Emergência deveriam ser direcionados/regulados/referenciados pelos serviços de saúde locais, incluídos hospitais municipais, regional, UPAs e Samu 192, o que não vem sendo cumprido. Tal medida já era prevista no contrato com a Secretaria de Saúde de Cajazeiras, assinado em outubro de 2019, e obedece a prerrogativas do SUS, bem como o perfil de atendimentos de média e alta complexidades, próprios de um hospital universitário. A ausência de estrutura para atendimento de urgência e emergência de pediatria pelo município, como uma UPA, por exemplo, levou o hospital a dedicar cerca de 80% de seus atendimentos à atenção primária, de baixa complexidade. Este índice demonstra que a unidade de pronto atendimento do HUJB vem sendo utilizado de forma equivocada pela rede de saúde local, como uma extensão indevida da atenção primária. O HUJB está, como sempre esteve, à disposição para o diálogo e o enfrentamento dos problemas de saúde locais, mas não deve ser o único responsável pelo conjunto de demandas postas pela saúde local. Deve, ao contrário, direcionar sua atuação para o que legalmente está previsto em sua constituição, como hospital universitário, bem como ao que está previsto no contrato que mantém com o gestor local do Sistema Único de Saúde (SUS), representado pela Secretaria de Saúde do Município de Cajazeiras. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.