Inspeção da água de piscina, por que é importante cuidar da qualidade desses ambientes?


O Laboratório de Qualidade do Instituto SENAI de Tecnologia Eficiência Operacional oferece o serviço de análise da qualidade da água de piscinas, atendendo cerca de 100 clientes por ano. Entenda como funciona este serviço. O aumento no uso de piscinas e tanques em áreas de lazer, os riscos de contaminação por água de má qualidade, também aumentam. Divulgação O uso de piscinas é uma atividade cotidiana dos fins de semana durante todo o ano, mas com a chegada do verão, quando o calor aumenta consideravelmente, essa prática se torna ainda mais comum. A procura por parques de lazer também cresce nesta época do ano, principalmente porque coincide com o período de férias. Com esse aumento no uso de piscinas e tanques em áreas de lazer e parques aquáticos, os riscos de contaminações causadas pela má qualidade da água também se tornam ainda maiores. Por isso, surge a necessidade de um cuidado minucioso no monitoramento da água utilizada, através de análises específicas que trazem uma avaliação detalhada. Isso contribui para a prevenção de possíveis danos à saúde, garantindo condições sanitárias e ideais para o uso desses ambientes. Embora esse cuidado deva ser uma atenção durante o ano inteiro, a chegada do verão e o aumento dessa procura demandam cuidados ainda maiores em relação ao monitoramento da água das piscinas. Para isso, o Laboratório de Controle da Qualidade, do Instituto SENAI de Tecnologia Eficiência Operacional possui o serviço de análises microbiológicas e físico-químicas, que possibilita identificar alterações químicas e possíveis contaminações com bactérias. Muitos condomínios e clubes se preocupam apenas com o aspecto visual da água, esquecendo que existe constituintes na água que não são visíveis aos nossos olhos. Segundo a analista técnica do laboratório, Sandra Chaves, os ensaios do laboratório são feitos por técnicos qualificados e com equipamentos específicos, e que os parâmetros analisados são os exigidos pela norma, como por exemplo a cor, o pH, o nível de turbidez e as taxas de cloro, dureza e cloreto. O monitoramento deve ser feito a cada três meses, tanto em piscinas, como em qualquer compartimento que seja usado como reservatório de água, mas com o aumento da frequência de uso das piscinas, esse prazo pode ser reduzido. O laboratório atende cerca de 100 clientes por ano, entre condomínios, academias, parques e clubes. Um desses estabelecimentos atendidos é o Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte - SEST/SENAT de Campina Grande, que há 10 anos realiza essa e monitoramento através dos serviços do Laboratório de Controle de Qualidade do IST Eficiência Operacional. Segundo Vanda de Souza, coordenadora de Promoção Social do SEST/SENAT, a análise da água das piscinas da instituição “é um serviço de suma importância, pois nos dá um detalhamento de como está a água no aspecto químico e microbiológico, dando segurança para os usuários que frequentam a nossa área”. Além disso, para ela, essas análises asseguram a instituição de qualquer eventualidade em relação à qualidade da água. “Essa análise nos respalda porque a gente recebe um laudo sobre essa água, então, dessa forma, se um usuário afirmar que foi acometido por alguma doença de pele, nós temos como refutar, já que são feitas três análises anualmente para que a gente possa ficar assegurado”, afirmou. Além desse serviço o Laboratório de Controle da Qualidade do IST Eficiência Operacional também realiza ensaios para monitoramento de processos de tratamento de efluentes, colaborando com o controle de despejos lançados no meio ambiente.
G1 > Paraíba

G1 > Paraíba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.